Segundo uma pesquisa realizada  pela Robert Half em parceria com a Enactus com 770 jovens da geração Z, mostra alguns dados bem interessantes que podem mudar a maneira com que o alinhamento interno é feito, já que em 2020 esses jovens compreenderão a 20% da força mundial de trabalho.

Uma das características da geração Z que deve ser levada muito em consideração na hora do alinhamento interno é que esses jovens preferem falar com seus gestores face a face, assuntos importantes, do que tratá-los por e-mail. Então é uma boa estratégia que o próprio gestor daquela determinada área separe um tempo para explicar alguns procedimentos e produtos ao seu jovem liderado.

Outra característica que deve ser levada em conta na hora do alinhamento interno é entender que a geração Z está imersa no trabalho naquele período determinado, e tem outros afazeres para suas horas fora da empresa. Uma coisa que desmotiva essa geração são reuniões de alinhamento que se estendem até depois do seu horário. Isso desmotiva o jovem liderado, esse respeito ás horas são uma via de mão dupla, a empresa pode perder um grande talento por não respeitar esse ponto.

Ainda sobre a pesquisa, 38% tem como característica mais admiradas nos chefes honestidade e integridade, a geração Z admira mais atributos reais do que um bom currículo. Na hora do alinhamento interno é importante que o gestor trabalhe mais as suas qualidades que é natural que a admiração venha pelas competências.

Essa geração nos demanda um tempo para descobertas e depois para colocar as ações em prática. É  preciso que o profissional de RH esteja antenado com as ‘’exigências’’ dessa nova geração. Não só formando novos caminhos, mas nesses novos caminhos desenvolvendo a competências desses jovens no mercado de trabalho.

Deixe uma resposta